IMPRIMIR


Imprensa

30ANOS: acusação de racismo
revela destempero de sociólogo

DANIEL LIMA - 31/07/2020

Na edição de novembro de 1999 a revista LivreMercado expôs situação até então inédita em defesa de sua linha editorial – e nada semelhante àquele contexto se repetiu no futuro que se desdobrou: um sociólogo incorreu em delito interpretativo e acusatório de que a Reportagem de Capa da publicação teria dado conotações racistas à ocupação demográfica de São Caetano. José de Souza Martins é o nome do educador da USP.  

Esta é a centésima-primeira edição da série 30ANOS do melhor jornalismo regional do País. Uma trajetória sem medo.   

Sociólogo acusa

revista de racismo 

 DANIEL LIMA - 05/11/1999 

Baseado em fragmentos da Reportagem de Capa de julho, o sociólogo José de Souza Martins acusou a revista LivreMercado de racista, por meio da Internet, rede mundial de computadores. Professor da USP (Universidade de São Paulo), José de Souza Martins atacou a revista com base em manifestação equivocada da entidade Sem Racismo. Disse o sociólogo: "A notícia (sobre suposto racismo) é evidentemente de um despropósito completo. Infelizmente, há na imprensa jornalistas obviamente imaturos (e editores também), como parece ser o caso (...) O que explica as características desse município não é evidentemente a composição étnica de sua população. (...). Penso que o quadro é esse e sugiro que vocês (Sem Racismo) repassem esta nota à revista, cuja matéria provocou repulsa em todos nós" -- escreveu José de Souza Martins ao confundir análise sociocultural com etnia.  

A Sem Racismo voltou atrás na ofensiva contra LivreMercado depois de ter acesso ao website da publicação com todo o conjunto de informações da Reportagem de Capa. A entidade lamentou que a descontextualização da reportagem tenha levado à interpretação equivocada, por isso solicitou desculpas formais.  

O sociólogo, também convidado a acompanhar a Reportagem de Capa na íntegra e mesmo diante da reconsideração da Sem Racismo, mantém-se irredutível à retratação proposta pela revista, que incluía a não-divulgação do caso. Além de intransigente, o sociólogo partiu para novas ofensas e tentativa de retaliação contra a direção da revista.   

Duplo ataque 

Ao ser solicitado a reconsiderar sua posição, José de Souza Martins voltou a atacar LivreMercado em dois novos e-mails. No primeiro, de 9 de outubro, procurou justificar o posicionamento inicial da Sem Racismo: "Sou membro da Comissão de Políticas Públicas que trata da situação do negro na USP, nomeada pelo Reitor, que procura alternativas para atenuar eventual discriminação no acesso a negros à universidade. Trata-se de uma luta justa num País de racismo difuso e pernicioso (...). Minha intervenção, aliás, foi no sentido pedagógico de explicar aquilo que faz de São Caetano um Município diferente da média dos municípios da região, coisa que a revista e o jornalista deveriam ter feito (...) A ameaça de processar-me por ter manifestado minha opinião, cuja cópia enviei diretamente ao editor, além de tê-la enviado ao Grupo Sem Racismo, é para mim indicativa de intolerância e incompetência. Opinião não é delito. Não pretendo retirar uma vírgula do que disse e pago para ver até onde vai essa esdrúxula tentativa de me intimidar e de me peitar" -- escreveu Martins. 

Em seguida, avocou relacionamento de amizade com membro da direção do Diário do Grande ABC, empresa acionista da Editora Livre Mercado, numa evidente operação de intimidação à direção editorial de LivreMercado, cuja gestão, provavelmente desconhece o intelectual, é independente.  

Num novo e-mail, de 13 de outubro, José de Souza Martins voltou a atacar a revista. Considerou abusiva e descabida a solicitação de retratação proposta pela Editora Livre Mercado: "Fiz uma intervenção pedagógica para corrigir a bobagem da interpretação dada pela revista à história de São Caetano (...) Cumpri um dever de professor e cidadão para mostrar aos estudantes e à revista uma versão fundamentada e abrangente da história de diferentes grupos nacionais e étnicos na formação da localidade. Vocês deveriam tentar aprender com as informações que dei, ao invés de se meterem a valentes" -- escreveu. Em seguida, o professor da USP voltou a fazer menção às ligações pessoais e profissionais com o Diário do Grande ABC, onde diz ter trabalhado no passado.  

Além de não revelarem a flexibilidade dos estudantes da Sem Racismo, que assumiram imediatamente o erro de interpretação da Reportagem de Capa, e de também atacarem a revista LivreMercado, os e-mails do sociólogo José de Souza Martins bateram de frente com a ética em relação a seu companheiro de USP e amigo pessoal de muitos anos, o professor e jornalista Aleksandar Jovanovic, fonte de informações da matéria que conta a história da ocupação demográfica de São Caetano.  

Jovanovic endossa revista 

Envolvido na polêmica criada pela Sem Racismo, Aleksandar Jovanovic acabou manifestando-se também por e-mail endereçado à Sem Racismo, mas com cópias para o professor José de Souza Martins e à LivreMercado. Jovanovic escreve, textualmente:  

 "A revista LivreMercado pode não ter publicado a matéria alusiva ao aniversário de São Caetano ao gosto de uns/outros, mas tenho certeza de que, em momento algum, seus profissionais competentes tiveram ou têm a menor postura racista. (...). Se o tom da matéria -- eventual ou seguramente lida às pressas e/ou através de fragmentos -- desagrada ou permite conclusões inconsequentes, isso não dá para ninguém o direito de fazer acusações a veículos e/ou profissionais (...) O jornalista que me entrevistou foi correto, porque não distorceu uma palavra sequer do que lhe foi dito" -- escreveu Aleksandar Jovanovic.  

A Reportagem de Capa na qual o sociólogo detecta fantasma de racismo teve requerimento de Votos de Congratulações aprovado há dois meses pela Câmara de São Caetano. O vereador José Carlos de Lira, filho de nordestinos, foi autor do pedido. O advogado Paulo Hoffmann, assessor jurídico de Editora Livre Mercado, já foi contatado para que tome as medidas judiciais cabíveis.



IMPRIMIR