Imprensa

Laboratório define primeiros
10 desafios à regionalidade

  DANIEL LIMA - 06/10/2017

Conforme o prometido recentemente, quando anunciei a criação do Laboratório de Propostas e Metas em substituição ao Observatório de Promessas e Lorotas, eis que relaciono os 10 primeiros desafios à regionalidade da Província. Conforme constarão os leitores, são medidas factíveis. Basta mobilização.  

Conforme escrevi no texto anterior, “a experiência de criar o Observatório de Promessas e Lorotas foi extraordinária porque pedagógica e elucidativa, quando não confirmatória. Em quatro anos de atividades, que abarcou mandatos dos prefeitos que atuaram na legislatura encerrada em 31 de dezembro do ano passado, nenhuma das mais de 100 propostas anunciadas pelos titulares dos paços municipais foi consumada” -- escrevi. 

Mais: “vou reprogramar em forma de empacotamento de marketing (sim, o Laboratório de Propostas e Metas também pode ser analisado como ação de marketing no sentido mais científico da expressão) muito do que já apresentamos como jornalista ao longo de décadas para dar dinamismo à região”.  

Para que o programa projetado não fique distante da compreensão dos leitores, apresento de forma sucinta as 10 primeiras sugestões que passam a constar da relação do Laboratório de Propostas e Metas:

 Criação de grupo que represente gestores públicos e empreendedores que, em conjunto com representantes da Universidade Federal do Grande ABC, defina plano de ação que, finalmente, retire aquela instituição do distanciamento de questões mais prementes da economia regional.

 Aprovação e encaminhamento -- no âmbito do Clube dos Prefeitos --de instância fiscalizatória independente nas respectivas prefeituras locais. Seriam unidades municipais de Controladoria-Geral, contando com participação de executivos do setor privado numa assessoria de acompanhamento para aferir resultados obtidos. 

 Criação de força-tarefa de representantes dos setores públicos e econômicos para definir estratégia de análise dos resultados do trecho sul, de modo a minimizar ou eliminar danos causados à competitividade econômica.  

 Organização de uma entidade não necessariamente formalizada que represente as associações ligadas ao comércio e à indústria da região para estabelecer medidas com foco exclusivo no Desenvolvimento Econômico. A iniciativa permitiria aos representantes de classe atuação sem barreiras municipais, presas que estão a estatutos conservadores. 

 Criação de legislação que contemple Reportagem Premiada pelas prefeituras da região, cujo objetivo seria contemplar reportagens-denúncias que possibilitem a recuperação de dinheiros públicos desviados por corrupção. 

 Formação, por decisão da direção do Clube dos Construtores e indicação de nomes por entidades diversas, de grupo independente para o acompanhamento de pesquisas sobre o mercado imobiliário.  

 Formação de grupo de especialistas que identifique que construa e mantenha atualizado mapeamento que identifique áreas e galpões abandonados ou subutilizados para uso industrial, os quais serão mantidos permanentemente no site do Clube dos Prefeitos para avaliação de pretensos investidores. A sugestão é que esse grupo de trabalho conte com a coordenação das unidades do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) na região. 

 Formação de um grupo de especialistas que atue no sentido de construir e manter atualizado mapeamento que identifique as áreas mais vulneráveis no campo da Segurança Pública, levando-se em considerações os principais indicadores, casos de homicídios e roubos e furtos de veículos. A coordenação caberia ao Clube dos Prefeitos em parceria com a Polícia Civil e a Polícia Militar da região. 

 Formação de um grupo de especialistas que identifique e atue nos pontos de estrangulamento mais graves do trânsito na região, definindo o perfil de cada localidade e as medidas para destravar a logística interna entre os municípios. Uma tarefa à coordenação dos Clube dos Prefeitos.  

 Criação de grupo de especialistas que monitore permanentemente a grade do Imposto Sobre Serviços (ISS), no sentido de que se procure estabelecer alíquotas homogêneas por atividade e, com isso, se evite a chamada guerra fiscal. Tudo coordenado pelo Clube dos Prefeitos. 

Leia mais matérias desta seção: