After falling in replica handbags love with Beatrice,gucci replica handbag Pierre immediately worked hard. In 2009, after dropping out of college, he took over a hermes replica handbags construction company founded handbag replica by his father and became a replica handbags major shareholder. Later he became the vice president of the Monaco Yacht Club. Personally, it has reached 50 million US dollars.
Imprensa

História do melhor jornalismo
regional do País. Leiam! (128)

  DANIEL LIMA - 09/11/2018

Mostramos duas matérias de janeiro de 1998 publicadas na revista LivreMercado, antecessora de CapitalSocial. Nessa recuperação da história do melhor jornalismo regional do País reforçamos o caráter abrangente da linha editorial de LivreMercado. O primeiro texto expõe a preocupação de empresas privadas em se relacionarem com os trabalhadores fora do ambiente de produção. Vejam os primeiros parágrafos sob o título “Porque ninguém é de ferro”, da jornalista Malu Marcoccia: “Em meados de outubro último, na Associação dos Funcionários Públicos de São Bernardo, a Banda Fama animou encontro que há pelo menos quatro anos não se ouvia mais falar. Foi o baile da ADC Basf, que como nos velhos tempos reuniu funcionários das unidades do Grupo Basf do Grande ABC e de Guaratinguetá. A retomada desse tipo de confraternização, que atraiu cerca de 300 colaboradores e familiares, não foi casual. Ações que tentam estimular ambiente de valorização da pessoa e favoreçam o espírito de grupo, que proporcionem momentos de lazer e harmonização ou voltadas ao bem-estar íntimo dos funcionários sempre estiveram presentes na política de RH da Basf. Mas ganham agora contornos mais definidos e intensos diante de nova onda que emerge, devagar, dentro das organizações e já ocupa a agenda de consultores empresariais: a qualidade de vida dos trabalhadores”. A segunda matéria daquela edição de janeiro de 1998 trata de Segurança Pública em São Caetano. Leiam os primeiros trechos: “Grupos comunitários que se reúnem para discutir problemas, propor soluções e acompanhar a aplicação com resultados concretos não formam roteiro de filme de ficção. Pelo menos em São Caetano. O Conselho Comunitário de Segurança (Conseg), entidade ligada diretamente à Secretaria de Segurança Pública do Estado e formada por empresários, advogados, promotores e delegados, já conseguiu sensibilizar o Poder Público municipal para implantar sistema de segurança inédito no País, com monitoramento da PM via satélite. O sistema, batizado de GPS (Global Positioning System), usa 24 satélites Nav-Star que fornecem cobertura 24 horas por dia. O satélite é utilizado apenas como ponto de referência. Por isso, não são necessárias licenças especiais nem é cobrada taxa. O custo fica por conta dos equipamentos da base de operação: sistema no-breack, computador de última geração, monitor de vídeo com 20 polegadas, impressoras e rádio transmissor. Painel digitalizado com mapa demonstrativo das operações em tempo real e viaturas especialmente equipadas completam o sistema”.

06/01/1998 - Porque ninguém é de ferro 

05/01/1998 - São Caetano dá exemplo 

Leia mais matérias desta seção: