Imprensa

História do melhor jornalismo
regional do País. Leiam! (145)

  DANIEL LIMA - 13/12/2018

Uma campanha para valorizar a imagem de Diadema (fato inédito até então entre os municípios da região) e um perfil precioso do artista Antônio Petrin também marcaram posição de destaque da edição de maio de 1998 da revista LivreMercado, antecessora de CapitalSocial. Leiam os primeiros trechos sobre o que Diadema providenciou para reduzir o estigma de criminalidade: “Diadema convocou um craque da Seleção Brasileira e a maior agência de publicidade da região para tentar driblar o estigma da violência, agravado no ano passado pelo episódio da Favela Naval. Denílson, um meia-esquerda capaz de fazer fila indiana de adversários atônitos diante de seu talento, é ilustre filho de Diadema que dispensou cachê e protagonizou boa parte da campanha Diadema, quem ama respeita, lançada pela Octopus, de Santo André. Foram produzidos três comerciais para a TV nos quais são exploradas referências positivas como o polo industrial, parques e praças e áreas de Educação, Saúde e Esportes, além de outros pontos como a Praça Castelo Branco e o Parque dos Jesuítas. Também foram produzidos spot de rádio e anúncios para jornais, assim como boletim ilustrado com o slogan da campanha. Os valores não foram anunciados. A tentativa de valorização institucional é pioneira entre Prefeituras do Grande ABC. Só foi antecedida pela campanha Meu Grande ABC, lançada no ano passado pelo Diário do Grande ABC, de abrangência regional e com assinatura discretamente corporativa”. Agora os primeiros trechos sobre Antônio Petrin: “Rosto marcante, traços vincados, olhar penetrante, físico forte, voz segura: um autêntico durão! Esses detalhes fazem de Antônio Petrin um dos atores mais procurados por selecionadores de elenco do teatro e da TV. Evidentemente, essa preferência está perfeitamente alinhada à grande experiência em palcos e estúdios, que teve início ainda na infância, no Parque das Nações em Santo André, quando atuava nos teatrinhos da Igreja Nosso Senhor do Bonfim. A paixão pela arte de representar fez com que Petrin optasse pela melhor escola de arte dramática da década de 1960: a EAD. "Depois de três anos de curso, formei-me em 1967 e encarei a primeira peça como profissional, Gente Como a Gente, no Teatro de Alumínio, que ficava na esquina da Cel. Alfredo Fláquer com Francisco Amaro, em Santo André”. 

05/05/1998 - Diadema busca nova imagem

05/05/1998 - Tipo durão faz sucesso

Leia mais matérias desta seção: