Política

Danilo Gentili vai mesmo
enfrentar Paulinho Serra?

  DANIEL LIMA - 05/02/2019

Quantas diferenças separariam (ou não haveria diferença alguma?) as eleições de 2000, quando o estranho no ninho Celso Russomanno candidatou-se à Prefeitura de Santo André e foi derrotado por um Celso Daniel concorrente à reeleição, e um Paulinho Serra igualmente concorrente a novo mandato em 2020, diante do estelar andreense Danilo Gentili, conforme se tem especulado aqui e ali?

Paulinho Serra imporia a Danilo Gentili uma derrota com 70% de votos válidos, marca de Celso Daniel naquela disputa?  

Se hoje o favoritismo de Paulinho Serra é considerado inapelável, o que seria da reeleição do prefeito se Danilo Gentili, com certidão de nascimento e ramificação familiar em Santo André, anunciasse concorrer ao Paço Municipal? 

Ainda não existe nada que assegure a decisão desse possível concorrente do PSL à sucessão em Santo André, mas o partido do presidente da República não é carta fora do baralho não só em Santo André como em outros municípios da região. 

Uma das estratégias do PSL é consolidar prestígio e votos em municípios com mais de 200 mil moradores. Tem-se como lógica eleitoral para o futuro que municípios com esse porte em diante irradiam transformações políticas na medida em que captam e disseminam mensagens nas redes sociais, como nas últimas eleições. 

O poder irradiador de municípios de médio e grande porte no entorno imediato e um pouco além disso asseguraria dinâmica eleitoral retroalimentadora que teria as redes sociais ainda mais solidamente avançadas.

Danilo Gentili tem várias vantagens contextuais, estruturais e pessoais sobre Celso Russomanno e, daí, considerando-se o contexto, supostamente lhe seria atribuída maior viabilidade de sucesso do que o hoje deputado federal, entre outros pontos de um currículo que inclui uma quase eleição à Prefeitura de São Paulo. 

Andreense documentado

Primeira vantagem de Danilo Gentili sobre Celso Russomanno: é egresso de Santo André, não um pirata que teve de dar uma ajeitada na bola da malandragem domiciliar e alugar para inglês ver um apartamento como prova legal de que não teria embaraços à candidatura. Gentili pode estabelecer moradia em Santo André, deixando a Capital, sem que pareça a terceiros oportunismo do quilate de Russomanno. O “oportunismo” no caso não tem teor depreciativo eloquente. Apenas uma métrica de parentesco com as qualidades que todo centroavante deve ter, ou seja, estar pronto para botar a bola no fundo da rede, pouco interessando a cor da camisa que veste. 

Um novo mundo

Segunda vantagem de Danilo Gentili sobre Celso Russomanno: as circunstâncias tecnológicas, de aparelhamento portátil que coloca cada eleitor como potencial cabo eleitoral 24 horas por dia, diferem profundamente do então quase monopólio regional do jornalismo impresso do Diário do Grande ABC, cujo peso editorial-político equivalia em território regional à Globo no País. Há muito o Diário do Grande ABC perdeu essa predominância, da mesma forma que os grandes jornais e redes de televisão também dobraram-se à chegada das redes sociais. A disputa pelo controle da narrativa eleitoral mudou completamente. Hoje é bastante difusa, numa guerra de informações e contrainformações que o jornalismo profissional pretende ter hegemonia, mas, por conta de vícios, também ingressa no vale-tudo de desconfianças múltiplas.  

Estrela popular

Terceira vantagem de Danilo Gentili sobre Celso Russomanno: seu histórico de estrela de televisão que assume posições de combate político é valioso para o espectro que representa – a direita e a centro-direita igualmente de Paulinho Serra – porque não soaria, numa campanha eleitoral, algo adaptado a satisfazer malandramente a demanda do eleitorado. Gentili não pareceria impostor, por assim dizer. 

Cartão de visitas

Quarta vantagem de Danilo Gentili sobre Celso Russomanno: sua especialidade é a comunicação e ele o faz com bastante sucesso. Não só pela forma, mas também pelo conteúdo. São contundentes os vídeos nas redes sociais, colocando-o duramente em confrontos com políticos da velha guarda que as urnas ou escorraçaram ou impactaram duramente nas últimas eleições. Ou seja: Gentili tem um cartão de visitas que não precisaria de adaptação de acordo com as circunstâncias que irá enfrentar. Celso Russomanno fez da televisão passagem direta para a política, mas sem o talento e a versatilidade de Gentili. Há uma barreira entre eles: a espontaneidade inteligente de um obscurece a regularidade formal do outro. 

Imagem clara

Quinta vantagem de Danilo Gentili sobre Celso Russomanno: como não é político de carreira, até porque nem carreira iniciou, sua imagem jamais seria confrontada com a de Celso Russomanno em 2000, quando o adversário de Celso Daniel estava filiado ao PP, partido então já repleto de restrições do eleitorado. 

Peso oposicionista

Sexta vantagem de Danilo Gentili sobre Celso Russomanno: Paulinho Serra não está exclusivamente postado como oposição assim como o foi Celso Russomanno para Celso Daniel. Traduzindo: o peso do oposicionismo de Russomanno naquela oportunidade estava a léguas de distância do eventual peso de Gentili em 2020, caso o andar da carruagem de execração de políticos já consolidados se manifeste. Russomanno foi importado por antipetistas para atrapalhar a vida de Celso Daniel num momento em que o PT crescia no eleitorado a ponto de, dois anos depois, eleger Lula da Silva presidente. Danilo Gentili chegaria ao ambiente de uma Santo André há muito tempo frustrada com uma rotina de administradores públicos que seguem a cartilha de mesmices. 

Aval presidencial

Sétima vantagem de Danilo Gentili sobre Celso Russomanno: há uma massa de eleitores em Santo André, notadamente da periferia, que poderia ser seduzida por um candidato com o aval do presidente Jair Bolsonaro, sobretudo se o presidente Jair Bolsonaro estiver em relativa alta popular, como parece que estará no campo econômico ante a perspectiva de que o Produto Interno Bruto cresceria 2,5% neste ano e por volta de 3% no ano que vem. 

Mais encantamento

Oitava vantagem de Danilo Gentili sobre Celso Russomano: ideologia à parte como fator restritivo a um ou a outro, Gentili é extraordinariamente mais bem dotado que o então candidato do PP. Versátil, é um profissional de comunicação que faz do carisma uma companhia à sedução, interesse ou não, repito, a determinado viés ideológico. E diferentemente de Russomanno, Gentili ganha corpos à frente nesse confronto que, no fundo, no fundo, atinge o prefeito Paulinho Serra como efeito ricocheteador. O poder de persuasão e de encantamento do eleitorado em maioria mais afinado com o voto conservador de Santo André não demoraria a cristalizar a imagem de Gentili como candidato a ser respeitado. 

Gataborralheirismo

Nona vantagem de Danilo Gentili sobre Celso Russomanno: o eleitorado de Santo André é suficientemente gataborralheiresco para, à parte virtudes e problemas de Gentili, adotá-lo como concorrente à Prefeitura. A premissa vale para todas as classes. Os moradores mais tradicionais e economicamente fortes não teriam dúvidas em trocar Paulinho Serra por Danilo Gentili ao interpretarem as pesquisas eleitorais como antessala do suposto candidato do PSL. Os mandachuvas e mandachuvinhas que giram em torno do Paço Municipal trocam facilmente de camisa. Foi assim inclusive com o petista Carlos Grana nas eleições de 2012. Nomes tradicionais de setores variados, como o mercado imobiliário, fizeram fila para prestigiá-lo. O bairrismo municipalista de Santo André tem limites que começam e terminam no poder econômico alinhado ao poder público. Traições aos poderosos circunstanciais no poder são rotina. 

Adesão dos nativos

Décima vantagem de Danilo Gentili sobre Celso Russomanno: da mesma forma que o prefeito Paulinho Serra fechou o cerco para impedir a evasão dos assemelhados com potencial oposicionista, trazendo-os para postos-chave da Prefeitura de Santo André, Danilo Gentili parece ter mais capacidade de sensibilizar os nativos do que Celso Russomanno naquela disputa de 2000. A candidatura de Russomanno não teve jamais substância enraizadora porque do outro lado da disputa estava um Celso Daniel já consagrado e que, nas urnas, obteve 70% dos votos válidos. Em termos proporcionais, Celso Daniel apresentava embocadura eleitoral mais sustentável diante de uma oposição mesmo que mais articulada do que nestes tempos de dispersão. A possibilidade de Russomano superar Celso Daniel nas urnas jamais foi levada a sério, menos por causa de Russomano, mais por Celso Daniel. Já Danilo Gentili parece mais palatável e, portanto, viável, como opositor não necessariamente a caminho da derrota.

Leia mais matérias desta seção: