Esportes

Regulamento torna vaga
do São Caetano intocável

  DANIEL LIMA - 28/03/2019

Há certas situações que não permitem meio termo, falsa diplomacia ou qualquer coisa que se assemelhe à malandragem explícita ou subjetiva. O São Caetano continuará integrado aos clubes da Primeira Divisão (Série A) do Campeonato Paulista, apesar de ter terminado a competição em penúltimo lugar, à frente do São Bento de Sorocaba.

O regulamento da competição determina o rebaixamento de duas equipes na temporada. Serão rebaixados o RB Brasil (ou Bragantino) e o São Bento de Sorocaba. Basta a Federação Paulista de Futebol não dar ouvidos a gente comprometida com o passionalismo clubístico ou qualquer coisa do gênero de malabarismos interpretativos.

Antecipei ontem mesmo a integrantes de grupos de redes sociais a objetividade do regulamento da Segunda Divisão, instância que realmente interessa mais à compreensão do caso. Até então, como explicitei em dois textos neste site, havia algumas interpretações que poderiam causar dúvidas sobre o futuro do São Caetano. Agora não há mais. Menos, claro, para quem não suporta a ideia de ser contrariado.

Como Colombo

Coloquei o ovo de pé. Ou seja: desmistifiquei a ideia de que o terceiro colocado da Segunda Divisão poderia ocupar a vaga na Primeira Divisão após as negociações que culminaram na incorporação do Clube Atlético Bragantino pelo Red Bull Brasil.

A vaga suplementar que se abriu na Primeira Divisão será ocupada pelo São Caetano.

O São Bento, último colocado, não tem escapatória: será mesmo rebaixado. Exceto se uma operação semelhante à do RBB e do Bragantino envolver igualmente duas equipes da Primeira Divisão. Aí, as duas vagas do rebaixamento automático seriam ocupadas pelos dois primeiros colocados da Segunda Divisão. 

A Primeira Divisão, portanto, seguiria com 16 equipes, São Bento e São Caetano inclusive. Sem uma réplica dos negócios entre RB Brasil e Bragantino, a festa é exclusivamente do São Caetano. Nada mais providencial, portanto, que o empate de um a um com o São Paulo na última rodada. O resultado manteve o São Bento na última colocação.

Para entender a mecânica funcional de acesso e rebaixamento nos campeonatos promovidos pela Federação Paulista de Futebol é preciso levar em conta que são competições específicas em pontos técnicos e consorciadas em pontos suplementares. Muitas coisas são comuns às duas competições; outras têm autonomia. 

Uma dessas situações é a intocabilidade de decisões de Conselhos Técnicos relativa à forma de disputa. 

A Primeira Divisão, por exemplo, seleciona os oito primeiros colocados não pela tábua de classificação geral, mas sim com a reserva das duas primeiras de cada um dos quatro grupos. 

A Segunda Divisão seleciona direto os oito primeiros colocados. Sobem dois dos de baixo (Segunda Divisão) e descem dois dos de cima (Primeira Divisão) nas respectivas fases de classificação. Um terceiro acesso não consta do regulamento da Primeira Divisão e, como se verá adiante, também não integra o regulamento da Segunda Divisão. 

Entretanto, os donos de verdades manipuladas de redes sociais pretendem impor a todo custo a ideia fixa de que o terceiro colocado da Segunda Divisão tem direito de participar automaticamente da Primeira Divisão, ocupando a vaga do RB Brasil ou Bragantino. Nada mais torto e precipitado, além de insustentável juridicamente.

E o pior da história é que o Departamento Técnico da Federação Paulista de Futebol, que cometeu equívocos semelhantes em outras temporadas em competições menores, comprou a mesma ideia. O inverso também é verdadeiro, ou seja, a FPF vendeu a ideia de que é possível juntar aleatoriamente duas competições distintas.

Regulamento sem dúvida 

A conclusão é a seguinte: o São Caetano será mantido na Primeira Divisão na próxima temporada. Só estará excluído, e, portanto, rebaixado, se o negócio entre Red Bull e Bragantino naufragar antes da realização do Conselho Técnico da Primeira Divisão, em outubro ou novembro próximo.

O que todos verão é que não existe dúvida alguma sobre o direito do São Caetano. Absolutamente nenhuma. O ponto central é o parágrafo 1º do Artigo 9º do Regulamento do Campeonato Paulista da Segunda Divisão. Vamos à integra: 

 “Em caso de não participação de algum Clube classificado para o Campeonato Paulista Profissional – Primeira Divisão – Série A1 de 2020, terá também acesso o Clube que obtiver a 3ª melhor campanha no Campeonato Paulista de Futebol Profissional – Primeira Divisão- Série A2, dentre os que disputaram a fase semifinal.

 Parágrafo 2º -- Este acesso somente será concedido quando a não participação do Clube classificado para o Campeonato Paulista de Futebol Profissional – Primeira Divisão – Série A1 de 2020, for oficializada antes da realização do respectivo Conselho Técnico.

Explicação didática 

Vamos ao exemplo prático, seguindo rigorosamente os dois parágrafos do Artigo 9º.

Imaginem como finalistas da Segunda Divisão as equipes do Água Santa de Diadema, XV de Piracicaba, Juventus e Santo André. Os jogos cruzados, envolvendo os quatro semifinalistas em mata-matas de acordo com a classificação geral, apontam XV de Piracicaba e Água Santa como finalistas e, portanto, como novos integrantes da Primeira Divisão, substituindo o último colocado São Bento e o penúltimo colocado São Caetano. Portanto, sobem XV de Piracicaba e Água Santa.

Sempre seguindo o regulamento da Segunda Divisão, imaginem agora (é o que determina o regulamento) uma situação em que o Água Santa desiste da competição por qualquer motivo. Quem herda a vaga (está no regulamento) é o terceiro colocado (das semifinais da Segunda Divisão). Reparem o destaque que se deve dar ao adendo “os que disputaram a fase semifinal da Segunda Divisão”. Ou seja, os quatro melhores classificados.

Traduzindo: o Santo André, que teria chegado em terceiro lugar no confronto com o outro perdedor das semifinais, seria o legítimo herdeiro do acesso à Primeira Divisão gerado pela desistência do Água Santa.

O mesmo Santo André que jamais ocuparia a vaga na Primeira Divisão por conta da saída do Red Bull ou do Bragantino caso não haja desistência de um dos finalistas. No caso hipotético, o Água Santa.

Vaga garantida 

Portanto, o regulamento da Segunda Divisão no artigo 9º é mais que claro, é insofismavelmente claro: o terceiro colocado das semifinais da Segunda Divisão só sobe para a Primeira Divisão se um dos dois primeiros colocados da Segunda Divisão desistir de disputar a Primeira Divisão.

Quem tiver alguma dúvida sobre isso, por gentileza, releia quantas vezes achar necessário o artigo ao qual me refiro.

Quanto à manutenção do São Caetano na Primeira Divisão é simples: com a saída (rebaixamento) do Red Bull ou do Bragantino, completa-se a cota de dois rebaixamentos na competição. Não se esqueçam de que é rebaixamento mesmo, porque se o Red Bull ou o Bragantino pretender voltar após eventual rompimento da fusão, terá de começar lá de baixo.

Os erros de interpretação da Federação Paulista de Futebol em casos citados não justificariam um erro clamoroso agora. Não bastasse, fora esse esclarecimento, a lógica regulamentar de que a Primeira Divisão não contempla invasão inadvertida da Segunda Divisão. Mas isso já não importa mais.

Leia mais matérias desta seção: