Economia

G-22: Servidores de Diadema
muito acima da média salarial

  DANIEL LIMA - 06/09/2019

Os servidores públicos municipais de Diadema recebem, em média, salários bem acima da média salarial de todas as categorias profissionais. Quando a competição é com os demais municípios da região, Diadema lidera a distância entre funcionários públicos e da iniciativa privada. Mais adiante, no confronto com integrantes do G-22, o Clube dos 20 Maiores Municípios do Estado, exceto a Capital e as convidadas Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, Diadema também tem posição acentuadamente desequilibrante.  

A competição entre servidores municipais e demais trabalhadores é massacrantemente favorável aos primeiros no G-22. Da lista, apenas em Rio Grande da Serra as atividades privadas contam com média salarial superior à dos funcionários municipais. 

Esse é o mais novo indicador do G-22 de Competitividade Municipal, criação de CapitalSocial em nome do compromisso com a sociedade consumidora de informação. 

Equilíbrio define

A ordem classificatória desse novo quesito vai seguir o conceito de maior equilíbrio entre o salário médio dos servidores municipais em relação ao salário médios dos demais trabalhadores. Quanto menor a diferença, melhor a classificação. 

As empresas de Rio Grande da Serra pagam aos assalariados em geral (indústria, comércio, serviços) em média mais que os servidores municipais recebem dos cofres públicos, no único caso entre os 22 municípios. Os demais pagam mais para os servidores públicos, sempre se levando em conta as médias salariais em confronto. 

A melhor colocação entre os municípios da região é de Ribeirão Pires, cujos servidores municipais ganham em média apenas 2,25% a mais que os trabalhadores do setor privado. São Bernardo, maior Município da região, revela equilíbrio bastante positivo ao ocupar a sétima posição no G-22 com menos de 10% de diferença entre o setor público municipal e o setor privado. No caso de Santo André, a situação é desconfortável, por conta principalmente da desindustrialização iniciada nos anos 1980: os salários dos servidores municipais são em média 61,59% superiores aos da iniciativa privada. 

O caso de Diadema é mais preocupante quando o equilíbrio entre os dois setores é o vetor de juízo de valor: os servidores públicos municipais recebem 68,65% mais que os trabalhadores das empresas. Nada surpreendente. Diadema paga em média os salários mais elevados no Grande ABC aos servidores públicos. Esse é o resultado mais explícito das décadas em que foi administrada por partidos de esquerda, notadamente o Partido dos Trabalhadores. A diferença em São Caetano não chega a 20%. 

São José dos Campos, Mogi das Cruzes, Campinas e Ribeirão Preto ocupam as quatro últimas colocações. Estão no que chamaria de zona de rebaixamento. A última colocada Ribeirão Preto paga uma média salarial das mais elevadas aos servidores públicos (R$ 6.983,49 mil, contra R$ 5.390,98 mil de Diadema), enquanto a média da iniciativa privada é de$ 2.865,74 mil. Uma diferença de 133,69%. Um pouco mais que os 122,50% de Campinas, os 115,38% de Mogi das Cruzes e os 100,67% de São José dos Campos. 

Veja o ranking:

1. Osasco paga aos servidores públicos média salarial de R$ 3.110,58 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 3.111,46 mil. Não há diferença minimamente expressiva.  

2. Barueri paga aos servidores públicos média salarial de R$ 4.076,24 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 4.082,74. Não há diferença minimamente expressiva. 

3. Sumaré paga aos servidores públicos média salarial de R$ 3.793,39 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de 3.744,53 mil. Diferença de 1,30%. 

4. Ribeirão Pires paga aos servidores públicos média salarial de R$ 2.584,09 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 2.527,09 mil. Diferença de 2,25%. 

5. Mauá paga aos servidores públicos média salarial de R$ 3.123,60 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 2.998,30 mil. Diferença de 4,20%. 

6. São Bernardo paga aos servidores públicos média salarial de R$ 4.018,71 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 3.688,93 mil. Diferença de 8,94%. 

7. Rio Grande da Serra paga aos servidores públicos média salarial de R$ 2.091,10 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 2.337,90 mil. Diferença favorável a todos os trabalhadores de 11,80%. 

8. São Caetano paga aos servidores públicos média salarial de R$ 3.836,86 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 3.214,67 mil. Diferença de 19,35%. 

9. Taubaté paga aos servidores públicos média salarial de R$ 4.360,24 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 3.054,89 mil. Diferença de 42,73%. 

10. Santos paga aos servidores públicos média salarial de R$ 4.703,62 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 3.310,89 mil. Diferença de 42,06%. 

11. Piracicaba paga aos servidores públicos média salarial de R$ 4.968,26 mil enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 3.261,96 mil. Diferença de 52,30%. 

12. Guarulhos paga aos servidores públicos média salarial de R$ 5.003,53 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 3.147,02 mil. Diferença de 59,00%. 

13. Santo André paga aos servidores públicos média salarial de R$ 4.592,38 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 2.841,97 mil. Diferença de 61,59%. 

14. Diadema paga aos servidores públicos média salarial de R$ 5.390,98 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 3.196,59 mil. Diferença de 68,65%.

15. Paulínia paga aos servidores públicos média salarial de R$ 8.328,39 mil enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 4.662,83 mil. Diferença de 78,61%. 

16. Sorocaba paga aos servidores públicos média salarial de R$ 5.614,44 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 3.054,15 mil. Diferença de 83,83%. 

17. Jundiaí paga aos servidores públicos média salarial de R$ 6.110,97 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 3.281,51 mil. Diferença de 86,22%. 

18. São José do Rio Preto paga aos servidores públicos média salarial de R$ 5.032,51 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 2.662,51 mil. Diferença de 89,01%. 

19. São José dos Campos paga aos servidores públicos média salarial de R$ 7.231,21, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 3.603,51 mil. Diferença de 100,67%. 

20. Mogi das Cruzes paga aos servidores públicos média salarial de R$ 5.492,81 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 2.550,29 mil. Diferença de 115,38%. 

21. Campinas paga aos servidores públicos média salarial de R$ 8.254,28 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de R$ 3.709,81 mil. Diferença de 122,50%. 

22. Ribeirão Preto paga aos servidores públicos média salarial de R$ 6.983,49 mil, enquanto a média de todos os trabalhadores é de$ 2.865,74 mil. Diferença de 133,69%. 

Leia mais matérias desta seção: