Economia

G-22: demissões na indústria
elevam produtividade regional

  DANIEL LIMA - 09/01/2020

A indústria de transformação de Santo André deu o maior salto de produtividade no G-22 entre 2016 e 2017, conforme os resultados gerais do PIB dos Municípios Brasileiros metabolizados neste espaço editorial. E quando se observa como um todo, o Grande ABC apresentou bons resultados entre as duas temporadas. Mas deixem as comemorações de lado: os resultados individuais e coletivos se devem muito mais a corte de trabalhadores do que a investimentos em tecnologia e processos. 

O rebaixamento do estoque de trabalhadores garantiu o desempenho já que, em valores de produção, o PIB Industrial do Grande ABC em 2016, avançou apena 0,93%, considerando a atualização monetária. 

Os dados do Grande ABC estão inseridos no G-22, grupo dos 20 maiores municípios do Estado de São Paulo, exceto a Capital e com a inclusão de Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra só para completarem a região. 

Santo André sobe mais 

Santo André subiu quatro postos no ranking do G-22, deixando o 12º lugar e chegando ao oitavo. Ou seja: está próximo ao meio da tabela geral. A produtividade por trabalhador industrial em Santo André (R$ 212.435 mil) representa apenas metade da segunda colocada, São José dos Campos. 

Dos integrantes do G-22, apenas oito mantiveram posicionamento no Ranking de Produtividade Industrial entre 2016 e 2017. Os cinco primeiros colocados seguiram nas respectivas posições. Casos de Paulínia, São José dos Campos, Santos, Taubaté e Mauá. Sofreram reveses e caíram na classificação geral Campinas (cinco posições), Mogi das Cruzes (quatro posições), Barueri (duas posições), Piracicaba (quatro posições), Rio Grande da Serra e Ribeirão Pires (uma posição cada). Subiram no ranking, além de Santo André, Ribeirão Preto (três posições), Osasco (uma posição), Sumaré (uma posição), São Caetano (três posições), Sorocaba (uma posição) e São Bernardo (duas posições). 

Na temporada de 2017 as fábricas do Grande ABC rebaixaram o estoque de trabalhadores em 8.568 vagas com carteira assinada. O total significou 4,50% do estoque geral. Em dezembro de 2016 eram 190.736 trabalhadores industriais na região, ante 181.168 em dezembro de 2017. 

Já em valores monetários, o PIB Industrial do Grande ABC na temporada de 2017 registrava R$ 27.373.619 bilhões. No ano anterior o resultado foi de R$ 24.285.248 bilhões. Quando se aplica a inflação (IPCA) de 2017, de 2,95%, o resultado de 2016 sobe para R$ 25.001.663 bilhões. Ou apenas 0,95% abaixo do resultado de 2017. 

Trocando em miúdos: o PIB Industrial do Grande ABC, que caiu ao longo de anos anteriores, desde a recessão iniciada no segundo trimestre de 2014, ficou praticamente congelado na temporada de 2017. 

Média regional baixa 

A produtividade média por trabalhador industrial no Grande ABC cresceu entre as duas temporadas 14,64%. Em valores atualizados eram R$ 131.079 mil em 2016 e passou a para R$ 150.265 mil em 2017. Se o PIB Industrial do Grande ABC for compactado em forma de região, ou seja, com a soma dos sete municípios, a produtividade média por trabalhador de R$ 150.265 mil garantiria o 16º lugar na classificação geral do G-22. Superaria somente os números de São Bernardo, Guarulhos, Piracicaba, Rio Grande da Serra, Ribeirão Pires, São José do Rio Preto e Diadema. Se forem retirados da classificação os municípios da região, o Grande ABC teria produtividade média por trabalhador superior apenas a Guarulhos, Piracicaba e São José do Rio Preto. 

Produtividade é a divisão do Valor Adicionado Industrial pelo total de trabalhadores. A produtividade no Grande ABC avançou 14,64% de 2016 para 2017. Um resultado inferior a vários municípios do G-22, casos de São José dos Campos (da indústria aeronáutica) com 21,02% e de Ribeirão Preto (do agronegócio) com 33,98%. O melhor resultado individual do Grande ABC foi de Mauá, do Polo Petroquímico, que avançou 39,93%. Santo André, também do Polo Petroquímico, embora com influência menor no resultado geral da indústria, avançou 24,02%. 

Veja o Ranking G-22 de Produtividade Industrial na temporada de 2017:   

1. Paulínia com PIB Industrial de R$ 17.671.370 bilhões e 11.190 trabalhadores. Produtividade por trabalhador de R$ 1.579,21 milhão.

2. São José dos Campos com PIB Industrial de R$ 15.867.490 bilhões e 37. 175 trabalhadores. Produtividade por trabalhador de R$ 426.832.289 mil.

3. Santos com PIB Industrial de R$ 1.660.997 bilhão e 5.291 trabalhadores. Produtividade de R$ 313.93 mil por trabalhador.

4. Taubaté com PIB Industrial de R$ 5.940.670 bilhões e 19.161 trabalhadores. Produtividade de R$ 310.039.66 mil por trabalhador.

5. Mauá com PIB Industrial de R$ 6.017.985 bilhões e 20.610 trabalhadores industriais. Produtividade de R$ 291.993.45 mil por trabalhador.

6. Ribeirão Preto com PIB Industrial de R$ 5.305.065 bilhões e 21.739 trabalhadores. Produtividade de R$ 244.034.45 por trabalhador.

7. Osasco com PIB Industrial de R$ 3.350.007 bilhões e 15.321 trabalhadores. Produtividade de R$ 218.654 mil por trabalhador.

8. Santo André com PIB Industrial de R$ 5.196.162 bilhões e 24.460 trabalhadores. Produtividade de R$ 212.435.08 mil por trabalhador.

9. Sumaré com PIB Industrial de R$ 3.819.902 bilhões e 18.418 trabalhadores. Produtividade por trabalhador de R$ 207.400.48 mil.

10. Mogi das Cruzes com PIB Industrial de R$ 3.203.830 bilhões e 15.723 trabalhadores. Produtividade de R$ R$ 203.767.10 mil por trabalhador.

11. Jundiaí com PIB Industrial de R$ 8.240.605 bilhões e 40.810 empregos industriais. Produtividade de R$ 201.926.12 por trabalhador.

12. Campinas com PIB Industrial de R$ 9.993.493 bilhões e 51.022 empregos industriais. Produtividade de R$ 199.781.95 mil por trabalhador.

13. São Caetano com PIB Industrial de R$ 2.904.912 bilhões e 15.844 trabalhadores. Produtividade de R$ 183.344.61 mil por trabalhador.

14. Sorocaba com PIB Industrial de R$ 7.980.161 bilhões e 49.673 trabalhadores. Produtividade de R$ 160.653.89 mil por 

15. Barueri com PIB Industrial de R$ 4.103.571 bilhões e 27.170 empregos industriais. Produtividade de R$ 151.033.16 por trabalhador.

16. São Bernardo com PIB Industrial de R$ 9.186.786 bilhões e 73.259 trabalhadores. Produtividade de R$ 125.401.47 por trabalhador.

17. Guarulhos com PIB Industrial de R$ 10.558.105 e 85.272 mil trabalhadores. Produtividade de R$ 123.816.79 mil por trabalhador.

18. Piracicaba com PIB Industrial de R$ 4.618.524 bilhões e 37.767 trabalhadores. Produtividade de R$ 122.289.94 mil por trabalhador. 

19. Rio Grande da Serra com PIB Industrial de R$ 168.059 milhões e 1.481 trabalhadores. Produtividade de R$ 113.476.70 mil por trabalhador.

20. Ribeirão Pires com PIB Industrial de R$ 659.196 milhões e 6.676 trabalhadores. Produtividade de R$ 98.741.16 por trabalhador.

21. São José do Rio Preto com PIB Industrial de R$ 1.864.501 bilhão e 19.272 trabalhadores. Produtividade de R$ 96.746.63 mil por trabalhador.

22. Diadema com PIB Industrial de R$ 3.240.519 bilhões e 39.838 empregos industriais. Produtividade de R$ 81.342.41 mil por trabalhador.

Leia mais matérias desta seção: