Imprensa

30ANOS: UFABC é fracasso
antecipado em 2004. Veja

  DANIEL LIMA - 16/03/2020

Possivelmente vários capítulos desta série que trata dos 30 anos da revista impressa LivreMercado e da revista digital CapitalSocial serão dedicados à Universidade Federal do Grande ABC. A UFABC é uma caçapa de inutilidade desenvolvimentista regional cantada exclusivamente pelas duas publicações. As demais mídias da região jamais e em tempo algum sequer construíram algo que pudesse ser visto como avaliação crítica sazonal do significado da UFABC no tecido social e econômico da região.

Ou seja: existe uma quase unanimidade burra que desdenha a importância estratégico-regional de uma instituição de Ensino Superior mantida pelos contribuintes. Exemplos nacionais e principalmente internacionais de que instituições do gênero devem dar prioridade a integração de projetos no ambiente em que estão inseridas cedem espaço a proselitismos acadêmicos.

Para que não impere dúvida alguma sobre a afirmativa de que a Universidade Federal do Grande ABC é um grande engodo regional, passamos ao campo prático.

Vamos reproduzir em seguida, integralmente, um texto que assinei para a edição de 17 de maio de 2004 da então newsletter Capital Social Online e que, na sequência, ganhou forma impressa nas páginas de LivreMercado. A outra matéria trata do que publiquei em setembro de 2017 – e que confirma todas as projeções sobre o futuro daquela instituição. 

Universidade Pública: carta

ao presidente Lula da Silva  

 DANIEL LIMA - 17/05/2004

Caro presidente Lula da Silva. Permita-me que lhe escreva sem as formalidades de praxe. Sem salamaleques tudo fica mais simples e sincero. Li no Diário do Grande ABC deste último domingo que o senhor vai receber amanhã, terça-feira, os sete prefeitos e os quatro deputados federais do Grande ABC. O assunto é um sonho de poucos que tentam maquiar a realidade falando em nome da maioria. O time completo que o senhor vai recepcionar amanhã dá exatamente 11 atores, nove dos quais do seu partido, o PT. Cuidado, caro presidente, com o que vão lhe apresentar. Pode ser presente de grego. Ou melhor: mais um fogo amigo.

Não se comprometa com promessas, caro presidente. Não diga a eles que o senhor se comoverá com a criação ou com a adaptação de uma universidade pública federal no Grande ABC. É uma gelada acreditar na porção panglossiana dessa turma eleita pelo povo, mas que não entende lá essas coisas de economia regional. Não se deixe prender pelo partidarismo nem pelo bom-mocismo, caro presidente. Não deixe que se confirme por aqui a versão de que essa reunião é um jogo de cartas marcadas, que tudo estaria preparado para a promessa de ceder à tentação.

Com todo o respeito que tenho por eles, caro presidente, sinto-me na obrigação de abrir seus olhos. Há conotação político-eleitoral nessa proposta. Como se sabe, vivemos um ano de disputas às prefeituras. Ninguém quer perder. Só não posso, caro presidente, deixar de alertá-lo, como seu eleitor duas vezes em outubro de 2002. Sim, depois de relutar e de não lhe dar meu voto nas três disputas anteriores das quais o senhor participou, ajudei a consagrá-lo por duas vezes contra o desastroso governo de Fernando Henrique Cardoso. Sinto-me, portanto, em condições de lhe fazer essas considerações; não bastasse a função jornalística.

Não sei se o senhor conhece minhas credenciais para abusar de sua paciência, mas sou jornalista nem sempre bem visto porque não me dobro a conveniência de qualquer espécie. Tenho 38 anos de profissão, escrevi três livros nos últimos dois anos e, se somar o que escrevo todos os dias, dá para editar um livro de 120 páginas todo mês.

Geralmente minha pauta é o Grande ABC. Esse pessoal que vai visitá-lo, mais precisamente os prefeitos, é muito bom em programas sociais. Bambas mesmo. Temos no Grande ABC um laboratório inigualável de políticas públicas na área social. Há explicações para isso. Eles são, em grande maioria, gestores inquietos com a exclusão social cada vez mais proeminente em nosso território. Não é para menos. Só no governo de seu antecessor, aquele que cobra R$ 50 mil por conferência sobre o que mal conhece, que é macroeconomia, vimos desaparecer 39% de nosso PIB industrial. Isso mesmo: 39%. Não é erro de digitação. Foi inação coletiva. Por essa e por outras votei no senhor, caro presidente.

Show apenas no social

Se no social damos show de bola, com programas reconhecidos em várias premiações nacionais e internacionais, inclusive no Prêmio Desempenho que realizamos há 11 anos, no econômico somos um desastre. Nosso time de gestores públicos, legisladores, lideranças econômicas, lideranças sindicais e lideranças sociais não enxerga um palmo à frente do nariz quando o temário são negócios, produtividade, competitividade, logística, essas coisas elementares.

As secretarias de Desenvolvimento Econômico que só entraram nos organogramas dos Paços Municipais em 1997, estão longe de um mínimo de estrutura para o jogo da sedução de empreendimentos. A burocracia impera. Há bons profissionais, mas falta estrutura material e física. Falta coletivismo, integração regional, coisas de que Celso Daniel tanto reclamava.

Querem vender ou já teriam vendido ao senhor, caro presidente, uma prioridade que de fato não existe. A Universidade Pública do Grande ABC é uma falácia nesta altura do campeonato de emergências em que nos encontramos. Não está nem entre as cinco prioridades máximas, nem entre outras cinco adicionais.

Precisamos de desenvolvimento econômico, caro presidente. De investimentos, de empregos, dessas coisas que constroem uma Nação. Temos montanhas de diplomas universitários na fila de empregos das centrais de trabalho e renda. Gente que não sabe o que fazer da vida. Somos 300 mil desempregados e outro tanto no mercado informal. Para cada analfabeto cadastrado nas centrais de desemprego, somam-se 15 universitários.

É claro que essa comitiva vai omitir-lhe esses dados e muitas outras informações. Posso lhe mandar os livros que escrevi sobre a situação socioeconômica deixada pelo governo Fernando Henrique Cardoso no Grande ABC. Os energúmenos ideológicos dizem que foi o sindicalismo que abriu as mais recentes crateras na região. Eles confundem as bolas.

Sindicatos sumiram

Os sindicatos de trabalhadores praticamente desapareceram do mapa de preocupações das empresas nos anos FHC porque enxurradas de carteiras de trabalho viraram peças de museu no setor industrial. Para ser preciso, nos oito anos de Fernando Henrique Cardoso, perdemos 85 mil postos de trabalho só na indústria. Essa contabilidade funesta não pode ser atribuída a seus companheiros. Mas se o senhor der muita trela aos idólatras da Universidade Pública Federal do Grande ABC vai entrar numa grande roubada. Mais uma neste ano, por sinal. Eles estão pensando em benefícios político-eleitorais, que necessariamente não são interesses do seu governo, caro presidente.

Quer um conselho, caro presidente Lula da Silva? Vou exagerar na dose desse tom intimista que resolvi adotar nesta carta e sugerir que não caia na armadilha de anunciar amanhã que dará uma universidade pública para o Grande ABC, algo que vai ser difícil o senhor cumprir e — pior ainda — não oferecerá as respostas ao desenvolvimentismo de que tanto carecemos. Corta essa, presidente.

Estou sabendo que o encontro de amanhã seria pura encenação eleitoral, da qual todos usufruiriam até outubro, mas não é justo que essa farsa seja compactuada pelo caro presidente. Basta recorrer aos arquivos sobre a gravidade do quadro educacional no País, sobremodo em nível federal, onde as escolas de terceiro grau vivem numa pindaíba que dá dó, sem recursos financeiros, sem investimentos em laboratórios, professores desmotivados, funcionalismo em pé de guerra e alunos desestimulados, para entender porque a flacidez orçamentária denuncia um corpo entregue às traças.

E mesmo que houvesse recursos orçamentários, caro presidente, acredite que universidade pública federal não é nossa prioridade regional. Temos escolas de terceiro grau suficientes para atender à demanda. Aliás, supera a demanda, porque a inadimplência combina com a falta de perspectiva profissional. Ter diploma, qualquer diploma, virou obsessão do governo de seu antecessor. O problema é que a qualidade do ensino se submeteu ao facilitarismo estatístico. Valem mais os números do que a competência.

Não bastasse isso, caro presidente, ainda temos o desconfortável drama de as universidades públicas estaduais ou federais serem tomadas pela classe média que pode frequentar escolas privadas de nível médio mais qualificadas.

Uma dupla enrascada

A Universidade Pública do Grande ABC iria nos meter numa dupla enrascada, caro presidente: além de dispensável, se tornada realidade manteria o status quo que todos condenam. Exceto, caro presidente, se for efetivada a tal Universidade para Todos, que abriria vagas gratuitas nas escolas particulares, as confessionais e nas filantrópicas. Nesse caso, teremos mais um motivo para dispensar a Universidade Pública Federal do Grande ABC.

Aposte nessa alternativa, presidente, porque dispensa entre outras despesas novos efetivos de professores, de funcionalismo, de manutenção de prédios e equipamentos. A isso se dá o nome de racionalidade.

Fosse o senhor, caro presidente, reuniria um grupo de assessores para recepcionar a prometida delegação do Grande ABC amanhã em Brasília. Gente que entende do assunto e que lhe dê subsídios sobre tudo o que interessa ser debatido nas escolas públicas de terceiro grau.

Se é difícil atender a esse pedido, caro presidente, então faça o senhor mesmo as indagações a esse pessoal que se diz porta-voz de 2,5 milhões de habitantes de uma região que vive a pior quadra de sua história. Indague-lhes, caro presidente, sobre o modelo de universidade que pretendem para uma região que, por falta de planejamento estratégico, não sabe nem para aonde vai economicamente.

Só essa pergunta basta, presidente. Exija-lhes, se quiser provocá-los, um projeto que associe o perfil da universidade à recomposição econômica da região. E que esse projeto passe pelo crivo de quem entende suficientemente a realidade do Grande ABC, não por amigos do peito que só querem encorpar o cordão de puxa-sacos.

Não vou estender-me nesta carta, caro presidente, porque tenho a impressão de que já me fiz compreender. Quero o seu bem, caro presidente. Encontrei-o poucas vezes pessoalmente. A última, por sinal, foi terrível: nos corredores do Paço Municipal naquele sábado fatídico em que Celso Daniel estava sequestrado.

Antes disso, como não frequento com assiduidade templos sindicais, públicos e empresariais, cumprimentamo-nos episodicamente. Torci pela sua vitória em outubro de 2002 porque fazia e ainda faço parte da turma da esperança, embora com um grau mais acentuado de indignação. Acho que se Celso Daniel vivo estivesse, ele saberia, também, que agora não é hora de debater universidade pública no Grande ABC. Não podemos iludir o povo, desfraldando uma bandeira inequivocamente arbitrária, incômoda, inoportuna e insensível ao momento que atravessamos.

Um Plano Marshall

Quer colaborar com o Grande ABC, caro presidente? Diga à comitiva que topa financiar um plano estratégico de recuperação regional. Um Plano Marshall, para ser mais explícito. É disso que precisamos, caro presidente. Sugiro-lhe, a respeito do assunto, um livro imperdível de William Easterly, economista do Banco Mundial. Coincidentemente, chama-se “O espetáculo do crescimento”, título que o senhor lançou no ano passado como marca de uma retomada econômica que ainda parece complicada.

Aquela obra é imperdível, caro presidente, porque mostra que o caminho mais curto para o equilíbrio social é o desenvolvimento econômico. A educação é espécie de linha auxiliar. Se quiser, vou presenteá-lo com a obra. Acho que o ideal mesmo seria que o time que vai recepcionar amanhã tratasse de se atualizar, consumindo ensinamentos de mais de 300 páginas de quem viveu inúmeras experiências práticas nos mais diversos cantos do mundo. O problema todo é que eles teriam de admitir que estão forçando a barra de uma causa insuportavelmente ofensiva a quem conhece o outrora Grande ABC esfuziante.

Estou torcendo mais uma vez pelo senhor, caro presidente, no encontro de amanhã. Não deixe que os mexericos se confirmem e que os jornais anunciem, no dia seguinte, que agora sim encontramos o maná da prosperidade, a chamada universidade pública federal do Grande ABC.

A Grande Osasco cresceu muitas vezes mais que o Grande ABC nos últimos oito anos e não conta com essa salvação da lavoura. O Interior catarinense dá lição de prosperidade sem se preocupar com diplomas. Não faltam exemplos de que em primeiro lugar devemos lutar por novos empreendimentos, por geração de emprego. Há muito voluntarismo nessa bandeira da educação, caro presidente.

Em tempo: o nosso time começou a melhorar. Já dá para imaginar que não seremos rebaixados. 

UFABC confirma projeção e

fracassa no mercado de trabalho

 DANIEL LIMA - 19/09/2017

Naquilo que mais interessa à região, que é o desenvolvimento econômico impulsionado por vários motores de tecnologia de ensino, a UFABC (Universidade Federal do Grande ABC) não poderia ser pior. Aliás, não é a primeira nem será a última vez que escreverei a respeito. No RUF (Ranking Universitário Folha), do jornal Folha de S. Paulo, a UFABC segue comendo poeira no indicador de mercado de trabalho. É um time sem centroavante ou qualquer opção para fazer gol. Quando o indicador é de Internacionalização, no campo da teoria, a UFABC é um manequim de expressivos resultados. Tem sido assim desde que o jornal paulistano iniciou pesquisa para definir o ranking. Sorte da UFABC que o peso relativo do indicador de mercado de trabalho é de apenas 18%. 

Para se ter ideia mais precisa do que significa o viés de desenvolvimento econômico regional no padrão curricular da Universidade Federal do Grande ABC basta dizer que a lista de instituições com as quais disputa as últimas posições é bastante generosa, mas nada brilhante. Envolve desde a Universidade Estadual do Norte Fluminense, passa pela Fundação Universitária da Grande Dourados e chega à Universidade Federal dos Vales de Jequitinhonha, entre tantas. 

Dirigentes da UFABC devem propagar aos incautos o outro lado da moeda do ranking da Folha de S. Paulo. Não que seja um lado mentiroso. Nada disso. Mas é um lado que não interessa ao empobrecimento que persiste em tomar nossas fronteiras. Na classificação geral do RUF, a UFABC ocupa a 36ª colocação entre 195 universidades brasileiras. A nota média é 70,79%. A Universidade Federal do Rio de Janeiro lidera com 97,42, a Unicamp está em segundo com 97,31 e a USP em terceiro com 97,24.

Aproximação improvável 

Conciliar pesquisas e desenvolvimento econômico regional é um desafio à Universidade Federal do Grande ABC que provavelmente jamais será superado. É da gênese da instituição – como denunciamos desde antes até de se instalar – a paixão por passarelas internacionais. Tanto é verdade que entre as 50 primeiras colocadas do RUF, a Federal do ABC é a única a cair pelas tabelas quando o mercado de trabalho é um quesito a ser preenchido. Ocupa a 159ª colocação na classificação geral. A Federal do Rio, líder na classificação geral, está em terceiro no mercado de trabalho, a Unicamp em 11º e a USP em primeiro. 

Insisto em lembrar que se a metodologia fosse outra, com ênfase ao que de fato mais interessa ao País como um todo, ou seja, a associação produtiva entre inteligências universitárias e empresas privadas, tudo seria diferente. Aí a Federal do ABC despencaria na classificação geral. 

Segundo a Folha, o RUF passou por ampla revisão de indicadores nesta temporada. Não é a primeira vez que isso acontece. A quantidade de teses produzidas por docente foi incluída no indicador de pesquisa – um dos critérios de avaliação das escolas. Os demais são ensino, mercado de trabalho, inovação e internacionalização. 

A Unicamp, segundo o RUF, tem a maior quantidade de teses por corpo docente e lidera o novo componente da fórmula. Isso pode ser verificado, segundo a Folha, no site do RUF, que permite ranquear as universidades em cada componente dos indicadores (e em cada indicador). 

Estrutura metodológica 

O RUF é um indicador anual das instituições e dos cursos de ensino superior do País com base em dados nacionais e internacionais e em duas pesquisas de opinião do Datafolha. O indicador “Pesquisa” corresponde a 42% do peso relativo e reúne um conjunto de atividades com as respectivas ponderações: total de publicações, total de citações, citações por publicação, publicações por docente, citações por docente, publicações nacionais, recursos recebidos, bolsistas CNPq e teses. O indicador “Ensino” reúne pesquisa com docentes, professores com doutorado e mestrado, professores em dedicação integral e parcial e nota do Enade. Já o indicador “Mercado do Trabalho” considera a opinião de 5.793 profissionais de Recursos Humanos consultados pelo Datafolha em 2015, 2016 e 2017 sobre preferências de contratação. O indicador “Internacionalização” refere-se a citações internacionais por docente, ou seja, média de citações internacionais recebidas pelos trabalhos dos docentes da universidade. Também contabiliza publicações em coautoria internacional, que vem a ser percentual de publicações feitas em parceria com pesquisadores estrangeiros em relação ao total de publicações da instituição. Para completar, o indicador “Inovação” refere-se ao número de patentes pedidas pela universidade em 10 anos (2006-2015). 

Números da UFABC 

Para chegar ao 36º lugar na classificação geral, A Universidade Federal do Grande ABC classificou-se em 46º lugar no indicador de Ensino, 14º no indicador de Pesquisa, 159 no de Mercado, 47º em Inovação e primeiro lugar em Internacionalização. Resumo da ópera: quando o critério de aplicação de conhecimento é o definidor da atuação da UFABC, e nesse ponto o Mercado de Trabalho é insuperável, ou único entre tantas as modalidades que formatam o ranking, temos um desabamento completo das expectativas de que, a depender da instituição, viraremos o jogo da baixa competitividade econômica da região. 

Contamos com uma instituição de Primeiro Mundo quando o que vale mesmo é o que não nos interessa de fato. O que mais produzimos na UFABC é o que menos necessitamos à aplicação diária para nos recompor economicamente. Tanto é verdade que os formandos da UFABC praticamente inexistem para os recrutadores de mão de obra de qualidade das empresas pesquisadas pelo Datafolha. A UFABC só é superada nesse quesito quando se chega a 103ª colocada do RUF: A Fundação Universitária Federal do Vale do São Francisco (Univasp) ocupa a 170ª colocação no indicador. 

Leia mais matérias desta seção: