Imprensa
A- A+

Nove meses de cinco anos que
transformariam o Diário (8)

  DANIEL LIMA - 13/08/2019

Exatamente um ano depois de iniciada, estamos retomando esta série. Tivemos de interrompê-la porque fomos atropelados por ação imediatamente antecessora. O material que se segue é o oitavo de uma longa série que retrata nosso trabalho como diretor de Redação do Diário do Grande ABC, entre julho de 2004 e abril de 2005.

Da mesma forma que criamos a newsletter OmbudsmanDiário, que procurou dar a dimensão do que pretendíamos exercer à frente do jornal um pouco antes de assumir o comando editorial, optamos por uma nova ferramenta digital, Capital Digital, para manter contatos mais abrangentes dentro da corporação.

Antes de os leitores acompanharem atentamente o boletim de Capital Digital Online, repetimos alguns trechos da primeira edição. Afinal, como se passou um ano desde o boletim de número sete, vale a pena recuperar o espirito do trabalho que exerci no Diário do Grande ABC. Veja uma parte do que escrevi na edição inicial: 

 Estamos iniciando nesta segunda-feira uma nova etapa de interlocução com os colaboradores, acionistas e diretores do Diário do Grande ABC. A periodicidade deste veículo virtual -- que espero ver transformado em real com a impressão e arquivo deste material -- será errática. Explicamos: dependerá da disponibilidade de tempo deste jornalista e também dos critérios de emergência dos assuntos. Procuraremos materializar aqui o muito que efetuaremos em contatos pessoais. Mais que isso: pretendemos que este ferramental seja elástico e profundo, na medida em que assentará as bases dos tijolos que deveremos implantar na empresa, bem como permitir que os profissionais de comunicação tenham espaço para manifestações. Como disse antes de assumir a diretoria de redação no Diário do Grande ABC -- exatamente na última quarta-feira --, este Capital Digital Online não substitui as funções de ombudsman, que pretendemos ver recuperadas. Será um instrumento da direção da redação para uso e abuso, no bom sentido, de todos que pretenderem manifestar opiniões, sugestões, ideias, reclamações -- o que for. Adotaremos, como no modelo do OmbudsmanDiário, tópicos específicos sobre os assuntos tratados. É a maneira que encontramos para tornar a leitura mais didática e dinâmica. Estamos conscientes de que temos muito o que fazer no Diário do Grande ABC. Sempre em conjunto, em equipe, porque os problemas também foram criados por um coletivo.

Agora segue a edição número oito de Capital Digital Online, de 17 de agosto de 2004:

Resolvemos preparar essa nova edição de Capital Digital Online, antecipando-nos ao usual de segunda-feira, porque há algumas questões que precisam ser realçadas de imediato. Quando se mantém segregada à Secretaria uma série de apontamentos sobre cada edição -- como realizamos diariamente -- o risco que se corre é que a multiplicação de conceitos não chegue ao ouvido de toda a corporação. Daí utilizar esta newsletter me parece mais produtivo.

 Manchete frágil

A manchete do nosso jornal hoje está fraca. Não pelo assunto em si, que é interessante, mas pelo conteúdo bastante limitado. Vou apresentar na reunião com editores as provas documentais de que poderíamos ter feito algo bem melhor. Diria que a matéria poderia ter sido adiada, sem qualquer contratempo, ou tido a colaboração de outros profissionais da redação, para justificar a dimensão editorial que lhe foi dada. Considerando-se que a manchete do jornal leva o leitor a imaginar o melhor tratamento editorial possível, fracassamos hoje. E não podemos fracassar.

 Pautas eletrônicas

Estou repassando aos poucos sugestões de pautas para os editores. Passo o básico, porque compete a cada editor o destrinchamento da pauta em si. Vou insistir na necessidade de darmos o tom editorial na região, em vez de sermos dominados pela comunidade mais esperta. Mantenho todas as pautas no computador. Isso significa que não vou esquecer de cobrar a execução. Espero que isso não seja preciso.

 Entrevista com Maués

Enviei hoje ao Renato Maués uma série de perguntas a respeito de regionalidade do Grande ABC. A entrevista poderá sair tanto na Economia quanto na Política. Vamos aguardar. Acho que devemos usar mais a internet para adensar a qualidade do jornal. Semana passada publicamos entrevista que fizemos com Jaime Guedes, consultor educacional que falou sobre a Universidade Federal do Grande ABC. Espero que outros profissionais da redação se utilizem mais frequentemente desse instrumental. Inclusive para transformar as respostas em matéria específica, não necessariamente no formato de entrevista.

 Informediário 

Vamos acertar os ponteiros da nossa coluna social, que continua despersonalizada. Não quero cobertura na Capital. Exceto em casos especiais. Não quero as figurinhas carimbadas de sempre na coluna. Quero gente diferente, gente que faz o Grande ABC geralmente de forma anônima. Quero fotos de happy hour em hotéis, quero as Nossas Madres Terezas, quero empreendedores de pequeno e médio portes. Enfim, quero uma coluna social diferente do que temos tido. Por isso reforçamos a equipe com a Carla Fornazieri.

 Transporte 

Estamos tomando pé das especificidades do setor de transportes que atende à redação do jornal. Há buracos informativos que vão ser corrigidos. Quero que os editores compartilhem da responsabilidade do fluxo de veículos disponibilizados para a redação. Temos que apertar o cerco para chegar a um ponto de equilíbrio que evite ociosidade em determinados horários e escassez em outros. Quando os dados são sistematizados, tudo ganha mais visibilidade. O setor de transporte faz parte da logística operacional de redação e tem de ser tratado como tal. Editores e membros da Secretaria do jornal precisam acompanhar atentamente os números, informados que devem ser pela Amanda. Não podemos mais trabalhar no escuro. Há evidentes desperdícios que precisam ser corrigidos, sob pena de os recursos humanos da redação acabarem sacrificados.

 Banco de horas

Solicitei hoje de manhã o apressamento do desenho do mapa do banco de horas a partir do momento em que assumi a redação. Não posso perder tempo com a burocracia que emperra a empresa. Preciso de dados ágeis, porque as medidas também o serão. Se forem registrados problemas, atacaremos de vez. O banco de horas não interessa para ninguém e, antes mesmo que desapareça formalmente da empresa, terá de desaparecer na prática. Por isso os editores e os membros da Secretaria têm a responsabilidade de agir como rastreadores.

Leiam também:

10/08/2018 - Nove meses de cinco anos que transformariam o Diário (7) 

30/07/2018 - Nove meses de cinco anos que transformariam o Diário (6) 

24/07/2018 - Nove meses de cinco anos que transformariam o Diário (5) 

18/07/2018 - Nove meses de cinco anos que transformariam o Diário (4) 

10/07/2018 - Nove meses de cinco anos que transformariam o Diário (3) 

04/07/2018 - Nove meses de cinco anos que transformariam o Diário (2) 

27/06/2018 - Nove meses de cinco anos que transformariam o Diário (1) 

Leia mais matérias desta seção:

Administração PúblicaEconomiaImprensaEsportesRegionalidadePolíticaCaso Celso DanielSociedadeMetamorfose Econômica

Entrevista EspecialNosso Século XXI (1ª Ed.)Nosso Século XXI (2ª Ed.)Mercado ImobiliárioEntrevista IndesejadaMeias Verdades

Quem somosSeçõesLinksAnuncieContato

Capital Social | Regionalidade para ser impressa

Fone: (11) 4425-6449 • Email: capitalsocial@capitalsocial.com.br

© 2016 | desenvolvido por Agogô e Orion Public